AGORA

A Geospatial Open collaboRative Architecture for Building Resilience against Disasters and Extreme Events (AGORA)

A sigla AGORA vem do Grego ἀγορά (ágora, literalmente ‘local de encontro’), o local, em cidades da Grécia Antiga, que era o centro da vida atlética, artística, espiritual e política da cidade. A ágora de Atenas é assim considerada o berço da democracia. Gibbons et al. usou o termo ágora para se referir a um novo modo de fazer ciência, o qual envolve especialistas de diferentes áreas e também grupos de interesse ‘público’. Neste sentido, a ágora é um domínio principal de produção de conhecimentos transdisciplinar, ou seja, permite pesquisas que não atravessam fronteiras disciplinares, mas também preenche a lacuna entre a ciência e a sociedade. Dessa forma, pesquisa transdisciplinar é fortemente orientada e dirigida por resolução de problemas, tornando-se muito bem adequada para o caráter aplicado das pesquisas em Sistemas de Informação.

 

AGORA

 

Assim, a ágora na Grécia Antiga se presta aqui como uma metáfora inspiradora para o AGORA -uma abordagem transdisciplinar que seja capaz de reunir organizações e indivíduos, permitindo-lhes fornecer e solicitar informações em uma plataforma comum, utilizando tecnologias web 2.0 (veja a figura acima). Como resultado, AGORA alcança uma base de informação integrada que é construída a partir do indivíduo, assim podendo ser dinamicamente analisada e interpretada por diferentes especialistas e/ou pesquisadores e outros interessados.

Assim, AGORA criará uma plataforma de gestão de conhecimento, onde questões relevantes e dados são fornecidos pelas várias partes interessadas, que reúne as perspectivas da ciência, da população em geral, e do governo (incluindo tomadores de decisão local, gestão de desastres e agências de emergência), a fim de lidar de forma colaborativa com os desafios sociais, tal como a gestão de risco de inundação. Cientistas/Pesquisadores podem fornecer suas análises e interpretações baseadas na rica fonte de informações do AGORA, na qual as decisões mais fundamentadas poderão ser tomadas. Nesse contexto, as decisões estão relacionadas à construção de resiliência contra inundações, particularmente focando na fase de preparação e nos esforços para redução dos riscos, tais como monitoramento de inundações em tempo real, sistemas de alertas antecipados locais, e análise de risco por meio de mapas de risco. Além disso, AGORA não fornecerá somente inferface de apoio a tomada de decisão para tomadores de decisões, mas também tornar dados relevantes disponíveis de forma padronizada. Dessa forma, AGORA proporciona um ecossistema flexível capaz de lidar com necessidades em constante mudança do monitoramento ambiental participativo e construção de resiliência contra desastres e eventos extremos.

A premissa do AGORA é que perigo de inundação e mapas de risco, podem auxiliar na construção de resiliência contra enchentes pelo oferecimento de suportes a tomada de decisão no planejamento e preparação para risco de inundações, bem como subsidiar esforços no surgimento de eventos de inundação. Para liberar esse potencial, o AGORA desenvolverá métodos para o monitoramento e análise do risco de inundação próximo do tempo real e analisar através da geração de mapas de risco dinâmico que combina informação de várias fontes. Isto será acompanhado não somente pela fusão dos dados de fontes de informações já existentes, normalmente não integradas (dados oficiais, rede de sensores, corrente de dados, mapas colaborativos), mas também pela criação e integração de uma nova fonte de informação com novos métodos para elicitar conhecimento local de cidadãos voluntários.

Assim, a proposta apresentada aqui é de uma abordagem colaborativa que envolve cidadãos, especialistas, pesquisadores e agências de emergência governamentais que podem melhorar a disponibilidade e a qualidade das informações para o monitoramento e análise de inundações, e então, apoiar a tomada de decisão na gestão do risco.